Como melhorar o engajamento com nível apropriado de conflito?

Avatar photo Beatriz Estima | 30 de janeiro de 2024

O conflito é parte integrante e fundamental da vida em sociedade, afinal, constitui-se como um catalisador das relações interpessoais. Ele acontece quando as diferenças são latentes e passam a expor interesses, necessidades e expectativas de todos os envolvidos.

capa engajamento conflito

Assim como nas relações sociais, os conflitos no mundo corporativo também se dão pela pluralidade e diversidade de opiniões e atitudes. No entanto, quando bem direcionado, ele pode promover uma cultura de engajamento e desenvolvimento muito maior do que em ambientes onde o conflito é sanado. 

Isso porque um dos grandes papeis da gestão de pessoas é criar ambiente onde todos possam compartilhar opiniões e ser ouvidos, desenvolvendo, assim, espaços seguros de crescimento. E isso só é possível quando a liderança vê o conflito como uma oportunidade de fortalecimento do engajamento e não como uma tensão desconstrutiva.  

Ao longo deste artigo você vai entender como o conflito pode ser usado a favor da promoção do engajamento entre os colaboradores e como direcionar esses espaços para o desenvolvimento.  

Neste conteúdo você encontra: 

  • O que é considerado conflito? 
  • A relação do conflito com engajamento; 
  • Por que o conflito é importante nas organizações?  
  • Tipos de conflito e os níveis de engajamento; 
  • Como criar um ambiente de conflito construtivo. 

O que é considerado conflito? 

Para entender de forma mais aprofundada sobre o que é considerado conflito no mundo corporativo e como ele pode fomentar o engajamento, precisamos encontrar a etimologia da palavra.  

Segundo Berg no livro “Administração de Conflitos” (2012), a palavra conflito vem do latim conflictus, que significa “choque entre duas coisas, embate de pessoas ou grupos opostos que lutam entre si”. 

Ou seja, conflito é sempre o confronto entre duas coisas contrárias. É claro que no imaginário popular falar de conflito pressupõe brigas, discussões e situações insustentáveis. Contudo, o conflito é altamente natural e, em diversos casos, muito necessário. 

Para o pesquisador de gestão de pessoas, Idalberto Chiavenato, ele é parte inevitável da natureza humana. Enquanto houver relações sociais, existirão diferenças de opiniões e objetivos.  

O ambiente corporativo é, essencialmente, o espaço onde as relações pessoais são postas à prova o tempo todo. Mesmo que uma equipe esteja de comum acordo com um objetivo, poderão existir conflitos pelos mais diversos motivos, como: modo de operação, processos organizacionais, atritos pessoais, entre outros. 

A forma como a liderança lida com o conflito é que dita como ele será utilizado na gestão de engajamento dos colaboradores.  

A relação do conflito com engajamento 

Já sabemos que o compromisso, a responsabilidade, a confiança e os resultados são essenciais para o engajamento.

Mas como um embate de ideias pode ser benéfico para o engajamento numa organização?

Isso acontece porque é a partir da exposição de opiniões, interesses e expectativas distintas por parte dos colaboradores que as lideranças podem trabalhar com oportunidades de aprendizado profissional e pessoal.  

Desse modo, o conflito só será benéfico para o engajamento se a liderança souber fazer uma gestão de pessoas e gestão de conflito da forma correta.  

Quando o embate das diferenças é bem administrado, temos oportunidade de acompanhar diversos pontos de vistas, identificar as melhores ideias e promover o crescimento contínuo da equipe.  

Com isso, desenvolvemos colaboradores que são ativos, capazes de pensar e agir criticamente e que não se acomodam no pensamento coletivo. Levando o conflito a ter um valor muito mais educativo, transformando em ponto de partida para reflexões e atitudes benéficas para a empresa. 

No entanto, para que o conflito no ambiente de trabalho seja harmonioso e capaz de gerar oportunidades de engajamento, e não um desgaste e uma tensão desconstrutiva, é necessário trabalhar alguns eixos, tais como: 

  • Integração: é o incentivo da troca de ideias e argumentações até que sejam esgotadas todas as resistências e cheguem a um sentido lógico em conjunto; 
     
  • Negociação: é a habilidade de buscar uma solução equilibrada para os pontos apresentados durante o conflito; 
     
  • Praticidade: é a necessidade de envolver toda a equipe para desenvolver na prática a solução encontrada, de forma respeitosa e empática. 

Por que o conflito é importante nas organizações? 

A fim de entendermos a importância do conflito nas empresas, é necessário compreender quais as suas causas.

Para o sociólogo e especialista em administração pública, Ernesto Artur Berg, no livro “Administração de conflitos”, os principais motivos para ocorrer divergências de opiniões em empresas são: 

  • Mudanças por pressões do mercado; 
  • Alterações de caráter tecnológico, estrutural ou comportamental; 
  • Reestruturações da organização; 
  • Choque entre metas e objetivos; 
  • Planejamento e comunicação deficiente. 

Contudo, quando a liderança consegue administrar e intermediar o conflito gerado, é possível encontrar soluções que ainda não existiam para os problemas. 
 
Dessa forma, gerenciar conflitos é importante para ter colaboradores cada vez mais ativos, preocupados com a saúde da organização e que se movimentam em prol do crescimento tanto profissional quanto pessoal.  

É a partir da gestão de conflitos que temos equipes que não ficam acomodadas e que desenvolvem senso crítico perante as adversidades do mercado. Quanto mais as companhias investem em colaboradores com esse perfil, maior é o engajamento e mais efetivos são os resultados.

E qual o papel da liderança no conflito? 

Já o papel da liderança no conflito é conhecer a natureza e o tipo de conflito, direcionar os desafios abordados e entender como as diferenças apresentadas podem ser fundamentais para criar novas possibilidades.  
 
Desse modo, ao gerar o conflito positivo por embate de opinião ou processo, temos equipes cada vez mais engajadas e preocupadas com a dinâmica de trabalho. 

liderança no engajamento e conflito

Tipos de conflito e os níveis de engajamento 

Cada conflito dentro de uma empresa pode resultar em um nível de engajamento diferente.  
Se uma companhia preza por sanar conflitos e não estimula as divergências, propicia um ambiente passivo e disfuncional. Isso porque cria colaboradores que concordam com tudo e não demonstram pensamentos críticos. 

Mas, se a empresa não consegue gerir os conflitos e a todo instante é abordada com novos embates, é comum ter cada vez mais desgaste da equipe. Nesse caso, o ambiente também é disfuncional, pois gera um espaço cada vez mais agressivo e pouco engajado. 

O ideal é ter um ambiente em que exista uma quantidade de conflito equilibrada, uma boa administração deles e uma alta produtividade. Essas costumam ser as características de colaboradores que são engajados, proativos e que buscam cada vez mais soluções para os problemas vivenciados. 

Athila Machado, sócio da Mereo define que o conflito de nível apropriado, é aquele que tira a pessoa que se encontra em uma situação de pouco esforço, para uma situação que analisa e explora as possibilidades. 

O gráfico abaixo retrata os níveis de engajamento de acordo com a quantidade de conflito. 

níveis de conflito e engajamento

Diferenciando os tipos de conflitos 

Conflito Positivo 

Para Wagner & Hollenbeck no livro “Comportamento Organizacional” (2002), os conflitos podem ser positivos quando: 

  • Servem de termômetro ajudando a elencar quando algo precisa de uma resolução melhor; 
  • Funcionam como propulsores para atingir metas; 
  • Levam à descoberta de soluções que podem ajudar a empresa; 
  • Ajudam a manter o nível de motivação e engajamento necessário; 
  • Promovem a inovação e criatividade perante a mudanças. 

Conflito Negativo 

Já os conflitos são negativos para a empresa quando: 

  • Causam tensão excessiva na equipe e, principalmente, nos envolvidos; 
  • Criam situações que não chegam à nenhuma solução, desperdiçando esforço e tempo; 
  • Atingem o âmbito pessoal do colaborador, desviando dos objetivos reais; 
  • Criam ambientes improdutivos, de incertezas e inseguranças. 

Como criar um ambiente de conflito construtivo?  

As divergências são importantes para a inovação e a criatividade. Afinal, quanto maior é o incentivo para expor opiniões, ideias e expectativas diferentes, maiores são as possibilidades de desenvolvimento e crescimento de uma equipe. 

Assim, é importante construir ambientes de conflito positivo, que tenham o equilíbrio certo. Para criar essa “tensão construtiva”, é preciso focar na gestão de conflitos. Com isso, alguns passos são importantes, assim como apresentado abaixo. 

  1. Analise os fatos 

Antes de determinar a solução para o conflito, a liderança precisa analisar as causas que motivaram tais divergências. Ouvir todos os pontos de vista é uma característica da liderança inspiradora e de uma gestão que preza pelo conflito saudável.  

  1. Mantenha o foco no problema 

Para que um conflito seja benéfico para a companhia, é imprescindível restringi-lo aos problemas da empresa. Isso significa que o conflito não pode tomar proporções que atinjam a vida pessoal dos envolvidos. 

  1. Ajude a desenhar possíveis soluções 

Não adianta o conflito existir sem que dele resulte uma ou mais soluções. Contudo, o foco é auxiliar os envolvidos a buscarem soluções equilibradas que sejam satisfatórias para todos. 

  1. Invista no feedback e desenvolvimento dos colaboradores 

Após o surgimento do conflito, é interessante que a liderança consiga fazer a troca de feedbacks com os envolvidos. A cultura de feedback, nesse caso, não chega na intenção de apontar culpados, mas sim de estimular o desenvolvimento e o pensamento crítico do colaborador.  

Veja como criar uma cultura de feedback contínua de forma prática e estruturada.

feedback no conflito

Conclusão 

Em suma, o conflito é parte natural das relações pessoais e, na realidade corporativa, acaba se tornando um meio para impulsionar a inovação, o crescimento e o desenvolvimento dos colaboradores. 

Afinal, quando ele é bem gerenciado, proporciona ambientes divergentes que buscam a evolução e não são estagnados. Assim, colaboradores mais engajados e preocupados com a saúde da organização, tendem a criar conflitos construtivos.

coleção engajamento

Artigos relacionados

Faça parte da nossa comunidade e receba conteúdos valiosos no seu e-mail.

     

    Solicite agora uma demonstração.

    Preencha os campos ao lado para agendar uma demonstração da nossa plataforma.